Buscas - Coleção Digital
    :                                                                                                 Direitos Autorais
PUC-Rio
PUC-Rio
Toolbox E-mail Help Plugins Acessos Area Restrita
aba parte esquerda Coleção Digital aba parte direita
aba parte esquerda Sala Virtual aba parte direita
aba parte esquerda Sala de Aula aba parte direita
aba parte esquerda Notícias aba parte direita
aba parte esquerda EMA aba parte direita
aba parte esquerda Projetos Especiais aba parte direita
Aumentar letra Diminuir letra Normal Contraste
 
Maxwell
imagem de espaçamento
  Página Inicial
imagem de espaçamento
  Buscas
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
  Estatísticas
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
  Sobre
imagem de espaçamento
rodape do menu
Consulta aos Conteúdos

Botão de Informações

Título: COMPORTAMENTO DE UM ATERRO SOBRE ARGILA MOLE DA BAIXADA FLUMINENSE
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): LUIS EDUARDO FORMIGHERI
Colaborador(es): ALBERTO DE SAMPAIO FERRAZ JARDIM SAYAO - Orientador
DENISE MARIA SOARES GERSCOVICH - Coorientador
Catalogação: 04/12/2003 Idioma(s): PORTUGUÊS - BRASIL
Tipo: TEXTO Subtipo: TESE
Referência [pt]: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=4261@1
Referência [en]: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=4261@2
Resumo:
O comportamento de um aterro sobre argila mole da Baixada Fluminense foi estudado. Este aterro foi executado para a implantação da Indústria Rio Polímeros, com 3 metros de espessura, assente sobre um colchão drenante. Antes da construção, a área foi coberta com uma manta de geotêxtil. Para acelerar os recalques do aterro, geodrenos foram instalados na argila mole. O aterro foi instrumentado com inclinômetros, placas de recalque e piezômetros. Durante a construção, foram observadas rupturas em áreas localizadas do aterro. Ensaios de palheta e piezocone foram realizados em diferentes etapas da obra. A resistência não drenada (Su) nos ensaios de palheta apresentaram-se dentro dos valores reportados em trabalhos anteriores. Nos ensaios de piezocone, Su apresentou um decréscimo com a profundidade. Os valores de OCR, estimados com o piezocone, situaram-se entre 1,5 e 3,0. O comportamento do aterro foi avaliado quanto a recalques e estabilidade. O método de Asaoka permitiu uma estimativa satisfatória do coeficiente de adensamento e dos recalques. Os recalques estimados pela teoria de Terzaghi foram cerca de 2,5 vezes maiores do que os registrados no campo, devido a incertezas na compressibilidade da argila mole. O método de Asaoka indicou, para drenagem puramente vertical, um valor de cv cerca de 100 vezes maior que os valores de ensaios de laboratório e 2 vezes menor que os valores estimados para drenagem combinada e para ensaios de piezocone. A estabilidade do aterro foi avaliada em análises por equilíbrio limite. Os resultados confirmaram a existência de uma potencial instabilidade em algumas regiões do aterro.
Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO E LISTAS  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
<< voltar