Buscas - Coleção Digital
    :                                                                                                 Direitos Autorais
PUC-Rio
PUC-Rio
Toolbox E-mail Help Plugins Acessos Area Restrita
aba parte esquerda Coleção Digital aba parte direita
aba parte esquerda Sala Virtual aba parte direita
aba parte esquerda Sala de Aula aba parte direita
aba parte esquerda Notícias aba parte direita
aba parte esquerda EMA aba parte direita
aba parte esquerda Projetos Especiais aba parte direita
Aumentar letra Diminuir letra Normal Contraste
 
Maxwell
imagem de espaçamento
  Página Inicial
imagem de espaçamento
  Buscas
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
  Estatísticas
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
imagem de espaçamento
  Sobre
imagem de espaçamento
rodape do menu
Consulta aos Conteúdos

Botão de Informações

Título: A LINGUAGEM DOS OBJETOS NA HABITAÇÃO CONTEMPORÂNEA: A SALA DE ESTARES
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): ECATHERINA ALEIXO BRASILEIRO BORGES
Colaborador(es): VERA LUCIA MOREIRA DOS SANTOS NOJIMA - Orientador
Catalogação: 09/10/2006 Idioma(s): PORTUGUÊS - BRASIL
Tipo: TEXTO Subtipo: TESE
Referência [pt]: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=9121@1
Referência [en]: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=9121@2
Resumo:
Depois da explosão demográfica das grandes cidades, da diminuição dos espaços internos das moradias e da hostilização dos espaços públicos, pode-se estar vivenciando o esvaziamento ou limitação de valor simbólico dos objetos industrializados para residência e uma possível preponderância de valores inócuos, tendendo ao historicismo nostálgico ou decorativismo falacioso. Esvaziamento provocado pela massificação da indústria, suportada quase exclusivamente pela publicidade, em detrimento de uma simbologia verdadeira e própria de um tempo ou uma região. Como pode então o designer elaborar um ambiente que atenda às subjetividades do indivíduo? Dispor várias peças em um ambiente é lidar com um momento de verdade íntima, constituído por uma subjetividade sem efemeridades e modismos. Na busca de fatos e impressões, foram realizadas, em quatro capitais brasileiras - Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Recife, entrevistas com pessoas que se propuseram decorar a sala de estar de suas residências e esses espaços foram analisados. Foram escolhidas, como perfil de entrevistado, pessoas de poder aquisitivo padrão B e C cujas salas medissem entre 18 e 35m. Verificou-se o alcance da significação dos objetos no percurso pelas instâncias sociais, da concepção ao momento de uso. Das entrevistas, foram identificados parâmetros de valores norteadores na construção dessa significação. Foi verificado também como se estabeleceu a relação entre o discurso subjetivo dos desejos humanos e a matéria-artefato na ambientação contemporânea. Este trabalho proporcionou uma reflexão sobre o papel do design na elaboração de ambientes que atendam às necessidades elementares ou subjetividades do indivíduo, colaborando, assim, para sua saúde física e mental.
Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO E LISTAS  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E APÊNDICES  PDF
<< voltar